fbpx

Se você já necessitou de um atendimento médico, provavelmente, teve que passar pela triagem e recebeu uma pulseira colorida, certo? Essa identificação faz parte do Protocolo de Manchester, uma técnica que facilita e agiliza o atendimento de casos mais urgentes.

Os pacientes são identificados de acordo com seu grau de gravidade e o tempo que podem aguardar pelo atendimento médico. Quer entender melhor sobre esse protocolo? Continue a leitura deste conteúdo e fique por dentro do assunto!

O que é o Protocolo de Manchester?

O Protocolo de Manchester pode ser considerado como um dos métodos mais utilizados em todo o mundo para identificar prioridades e tempo de avaliação de acordo com cada caso médico.

Sendo assim, muitos hospitais aplicam essa metodologia durante a triagem dos seus pacientes, no momento em que a gravidade dos sintomas é classificada por cores. Com isso, o serviço é organizado, fazendo com que os casos mais urgentes sejam atendidos prioritariamente.

Adotar essa prática é, ainda, uma maneira de diminuir a superlotação em clínicas e unidades de saúde. É importante ressaltar que o Protocolo de Manchester jamais deve ser utilizado para diagnosticar pacientes, apenas para indicar as situações de maiores riscos.

Classificações para o funcionamento do Protocolo de Manchester

A classificação dos casos conforme o Protocolo de Manchester se dá através da identificação dos sintomas apresentados por cada paciente. É organizado da seguinte forma:

Vermelho – Emergência

É aquele paciente que precisa de atendimento imediato, pois apresenta risco de morte ou de gravidade extrema. Enquadram-se os seguintes casos:

  • vítima de projétil de arma de fogo (PAF);
  • insuficiência respiratória;
  • crises de convulsão;
  • hemorragias descontroladas;
  • tentativa de suicídio;
  • queimaduras equivalentes a mais de 25% do corpo.

Laranja – Muito urgente

É o paciente que precisa ser atendido rapidamente, em aproximadamente 10 minutos. Ou seja, nesta classificação, o nível emergencial é um pouco menor do que na cor vermelha. As condições para ser definido como muito urgente são:

  • hemorragias com difícil controle;
  • fraturas;
  • perda de consciência;
  • dores incontroláveis ou muito severas;
  • arritmias sem sinais de instabilidade.

Amarelo – Urgente

Pacientes classificados como urgentes precisam de atendimento rápido, mas podem esperar por até 50 minutos sem que o quadro seja agravado. Há riscos, porém não são imediatos. Dentre os casos mais comuns, estão:

  • desmaios;
  • desidratação;
  • pequenas hemorragias;
  • crises de pânico;
  • casos de hipertensão;
  • sinais vitais com irregularidades.

Verde – Pouco urgente

Quando o caso não é tão grave, a pulseira é verde, o que significa que o paciente pode esperar até 2 horas e ser encaminhado a outros locais de serviços de saúde para ser tratado. São os casos de:

  • febre;
  • dores leves;
  • dor de garganta;
  • viroses;
  • tosse;
  • resfriado;
  • hemorragias controladas.

Azul – Não urgente

Assim como acontece na cor verde, o paciente que não precisa de atendimento urgente é classificado com a cor azul e pode ser encaminhado para outros serviços de saúde, pois possui sintomas comuns e estáveis que podem ser tratados em outros locais. A diferença é o tempo de espera: na cor azul, ele é de até 4 horas. Esta classificação envolve:

  • aplicação de medicamentos receitados por profissionais;
  • troca de sondas;
  • dores crônicas já diagnosticadas.

Afinal, como o Protocolo de Manchester funciona na prática?

No Protocolo de Manchester, os profissionais de saúde precisam realizar uma avaliação para entender o quadro clínico do paciente. Essa triagem visa identificar os riscos e as gravidades recorrentes dos sintomas apresentados.

É um momento em que não se deve buscar um diagnóstico, somente a identificação do risco daquele quadro para colocar no paciente uma pulseira com a cor correspondente ao grau de urgência para o atendimento.

Somente profissionais de nível superior (médico ou enfermeiro) com boa comunicação, capacitação e conhecimento clínico estão autorizados a avaliar e indicar ao doente a cor correspondente à urgência do caso.

Importância de aderir ao Protocolo de Manchester

A organização, a padronização e o suporte aos pacientes se tornaram ainda mais eficientes com o auxílio do Protocolo de Manchester. A sua maior importância se dá pelo atendimento mais coordenado e assertivo, evitando que pacientes não graves passem na frente daqueles que precisam de atendimento imediato.

Quando falamos das clínicas médicas, a implementação deste protocolo proporciona impactos positivos para o negócio, atuando principalmente na economia, pois reduz o desperdício de materiais. Além disso:

  • garante mais segurança aos pacientes;
  • torna os atendimentos mais humanizados;
  • aumenta a satisfação do público;
  • reduz a superlotação;
  • diminui o tempo médio de atendimento (TMA).

Pudemos perceber que é de extrema importância entender e fazer uso do Protocolo de Manchester para que os atendimentos sejam cada vez melhores.

Ademais, caso tenha uma clínica e queira aderir a esse protocolo, ter soluções capazes de tornar suas operações mais eficientes, facilitar a gestão do seu ambiente de trabalho ou obter resultados mais potencializados, aposte em um software para saúde completo. Entre em contato com a nossa equipe e saiba mais!

ATENDIMENTO
4000-1691
WHATSAPP
(48) 99641-5711
E-MAIL
[email protected]
CENTRAL DE VENDAS